uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Caso da médica expulsa da unidade de saúde do Entroncamento chega ao Parlamento
Foto DR - Marta Antunes comunicou a sua saída aos utentes através da sua página do facebook

Caso da médica expulsa da unidade de saúde do Entroncamento chega ao Parlamento

Marta Antunes queixou-se de perseguição por ser delegada sindical

Edição de 17.01.2018 | Sociedade

A médica Marta Antunes, que se queixava de perseguição por ser delegada sindical, foi expulsa da Unidade de Saúde Familiar Locomotiva no Entroncamento, segundo confirma o Sindicato dos Médicos da Zona Sul, que integra a Federação Nacional do Médicos. A médica comunicou a sua saída aos utentes através da sua página na rede social Facebook e o sindicato já comunicou o caso aos grupos parlamentares na Assembleia da República. O Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo e a unidade de saúde, contactados por escrito por
O MIRANTE, têm estado em silêncio até agora.
Guida da Ponte, da comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos, revela que a médica começou a ter problemas quando passou a ser delegada sindical, realçando que a direcção da unidade de saúde questionou o sindicato, por escrito, sobre o trabalho da médica enquanto sindicalista, nomeadamente o tempo que esteve em trabalho sindical. Guida da Ponte diz que os delegados sindicais têm direito a dispensas para actividades relacionadas com essas funções e que esta não é a primeira vez que existem situações de perseguição a delegados deste sindicato.
Para Guida da Ponte é inadmissível que um dirigente sindical, que está a defender e a representar os seus colegas, seja sujeita a este tipo de situações, revelando ainda que numa reunião da unidade de saúde foram divulgadas informações clínicas de Marta Antunes, que sofre de uma doença.
O Sindicato dos Médicos da Zona Sul, que integra a Federação Nacional dos Médicos, tinha já emitido, em Dezembro, um comunicado em que acusava a administração do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo de perseguição à médica.
O MIRANTE contactou, por e-mail, a direcção do ACES Médio Tejo e a USF Locomotiva, solicitando-lhe esclarecimentos sobre o assunto.

Caso da médica expulsa da unidade de saúde do Entroncamento chega ao Parlamento

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...