uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Armazém suspeito de causar maus cheiros em Alverca obrigado a fechar portas
Armazém de rações para animais não está a cumprir as regras e deverá fechar portas nas próximas semanas

Armazém suspeito de causar maus cheiros em Alverca obrigado a fechar portas

Empresa vai deslocalizar as suas operações e vai receber auto de contraordenação. Moradores esperam que seja desta que acabe o problema.

Edição de 30.10.2019 | Sociedade

O armazém de transformação de rações para animais na zona do Brejo em Alverca do Ribatejo, que é suspeito de ser o responsável pela vaga de maus cheiros que têm afectado a cidade nas últimas semanas, vai fechar portas e deverá deslocalizar parte da operação até ao final do mês.
Isto depois da fiscalização municipal ter estado no local com autoridades do ambiente e ter sido apurado que o armazenamento das rações não está a cumprir a legislação em vigor, o que deverá resultar em coimas para a empresa.
“Tivemos uma reunião com a empresa que, reconhecendo a sua responsabilidade, se comprometeu a retirar o material, a única solução para pôr fim aos maus cheiros”, anunciou o presidente da União de Freguesias de Alverca e Sobralinho, Carlos Gonçalves (CDU). Os maus cheiros advêm, segundo as autoridades, do armazenamento de casca de milho, subproduto obtido no processo de transformação de extração de amido de milho, que entrou em combustão lenta e tem libertado um cheiro intenso.
“Na visita aos armazéns efectuada pela fiscalização municipal, verificou-se que o armazenamento de ração para animais que tem vindo a causar os maus cheiros não está a cumprir todos os normativos estabelecidos pela legislação em vigor. Nessa medida, a câmara já procedeu ao levantamento de auto de notícia por contraordenação junto da empresa”, explica o município, avisando no entanto que não detém competência para proceder ao encerramento imediato da actividade ali desenvolvida.
Por esse motivo já foram notificadas a Agência Portuguesa do Ambiente, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo bem como a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, a quem a câmara pediu uma “intervenção urgente” na verificação das condições higiénico-sanitárias das rações ali existentes, bem como se está ou não garantido o seu correcto manuseamento e acondicionamento.

Armazém suspeito de causar maus cheiros em Alverca obrigado a fechar portas

Mais Notícias

    A carregar...