uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Mudança de paragem de autocarros em Arcena mal recebida
Populares não querem que a paragem de autocarro saia do sítio onde está há 50 anos

Mudança de paragem de autocarros em Arcena mal recebida

Deslocalização ainda não se concretizou mas já está a gerar descontentamento entre os passageiros e motoristas.

Edição de 19.02.2020 | Sociedade


Um grupo de moradores de Arcena, Alverca do Ribatejo, está contra a deslocalização da paragem de autocarros do Largo Dr. Jaime Marques Dias Simão para a Rua Ivone Silva, a uma distância de 150 metros. A mudança, dizem os contestatários, vai prejudicar a população mais envelhecida com dificuldades de locomoção e os utilizadores dos autocarros residentes no Casal da Carcaça, que já andam cerca de quilómetro e meio para apanhar o transporte. Além disso, referem, é naquele largo que estão as casas-de-banho públicas utilizadas pelos passageiros e motoristas das empresas de transporte.
As queixas são muitas e todas defendem o mesmo apesar de a paragem ainda não ter mudado de sítio. Maria Tavares diz que o novo local não vai ter condições para se apanhar o autocarro por ser “mais apertado e estar cheio de carros”. Maria de Lurdes Ferreira reclama que a paragem está há mais de 50 anos naquele largo e recusa-se a aceitar a mudança, convicta de que vai prejudicar quem já vem de longe para apanhar o autocarro. “Não nos podemos conformar com isto. Não faz sentido tirar o autocarro do largo mais central de Arcena”, acrescenta Norberto Freitas.
O presidente da Junta de Freguesia de Alverca e Sobralinho, Carlos Gonçalves, explica que a alteração só deve ter efeito quando o largo for alvo de uma intervenção de requalificação a cargo da câmara municipal. O que também ainda não é certo que aconteça. A acontecer, o autarca defende que faz todo o sentido a paragem sair do largo, já que a passagem dos autocarros tem contribuído para a deformação do piso empedrado. “O primeiro passo será sempre retirar os veículos pesados do centro histórico”, caso contrário será “difícil manter a rua em boas condições”, reafirma.
O MIRANTE contactou a Boa Viagem e Rodoviária de Lisboa (RL), empresas de transportes que operam no local, mas não teve resposta até ao fecho desta edição. No entanto, António Marujo, residente em Arcena e motorista da RL há 18 anos, diz que a empresa não tem conhecimento da possibilidade de alteração da paragem e duvida que a aceite, porque “na rua abaixo não há espaço para passar e fazer manobras com um autocarro de 15 metros”. O motorista considera ainda que se o autocarro deixar de passar no largo “as pessoas que moram na parte mais alta de Arcena vão ficar muito mal servidas em termos de transportes”.

Mudança de paragem de autocarros em Arcena mal recebida

Mais Notícias

    A carregar...