uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
“Não se aceita que o acesso a Santarém pela Estrada Nacional 114 continue fechado”

“Não se aceita que o acesso a Santarém pela Estrada Nacional 114 continue fechado”

Ana Carla Lopes Engenheira Civil - HACL – Sociedade de Construções, Lda.

Edição de 19.03.2019 | Especial Festas de São José

Não sabendo exactamente o que motiva que um dos acessos principais à cidade de Santarém (Estrada Nacional 114) demore tanto tempo a reabrir acho que os responsáveis deveriam debruçar-se sobre a resolução urgente desta situação, que causa tantos transtornos a todos quantos têm necessidade de entrar na cidade vindos dos concelhos limítrofes de Almeirim, Alpiarça e Chamusca. A circulação pela estrada da estação, não é, nem nunca devia ter sido assumida como alternativa viável.
Para mim, particularmente, que apesar de trabalhar em Santarém, tenho a sede da empresa no concelho da Chamusca, verifico mais dificuldade e tempo perdido ao utilizar a estrada da estação, que tem sempre muito trânsito no acesso à própria estação, e a alternativa pela Ponte Salgueiro Maia torna-se mais longe.
Resido já há alguns anos na União de Freguesias de Achete e Póvoa de Santarém. Como trabalho em Santarém acompanho pouco a evolução da freguesia, mas pelo que vejo, parece-me que vai servindo minimamente os interesses da população.
Participo nas Festas de Santarém apenas como visitante. Geralmente assisto a alguns concertos e vou com as minhas filhas às diversões que elas mais apreciam.
As festas são um dos eventos anuais importantes da cidade de Santarém, a par do Festival da Gastronomia e da Feira Nacional da Agricultura. Estes acontecimentos contribuem para a economia local devido à vinda de muita gente.
Sou pessimista em relação ao futuro de Santarém. Se as políticas não mudarem estamos em risco de estagnar ou até regredir o que é uma pena dada a localização privilegiada deste concelho e que podia/devia permitir um desenvolvimento quer na indústria, quer na agricultura mais relevante na economia nacional.
Na minha empresa (HACL – Sociedade de Construções, Lda.) pretendemos manter-nos com os pés bem assentes na terra e continuar um crescimento sustentado numa base sólida mas sempre no intuito de melhorar para sermos uma empresa de referência na região e no país.
A actividade no Centro Histórico de Santarém está a “desfalecer” aos poucos, o que é lamentável. Ainda assim continuo a fazer compras em alguns locais que continuam a tentar manter-se, apesar das dificuldades. A única mensagem que posso deixar aos comerciantes, de uma forma geral, é que continuem a lutar para manter vivo o Centro Histórico e o comércio na cidade. Quanto aos políticos locais desejo que tenham em conta as necessidades mais prementes dos cidadãos.
As minhas principais actividades de lazer são o exercício físico, tanto ao ar livre como no ginásio e viajar. Já visitei locais fantásticos como o Egipto, Tailândia, Cabo Verde ou México mas gostaria muito de concretizar em breve uma viagem à Índia.

“Não se aceita que o acesso a Santarém pela Estrada Nacional 114 continue fechado”

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido

    Destaques