uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Crime violento abala a pacata Aldeia do Peixe
Vizinhos encontraram a vítima a gemer, coberta de sangue e quase irreconhecível

Crime violento abala a pacata Aldeia do Peixe

Mulher de 73 anos suspeita de atacar marido à machadada está em prisão preventiva. Caso apanhou de surpresa os habitantes da localidade do concelho de Benavente mas este não terá sido o primeiro episódio de violência doméstica entre o casal. Polícia Judiciária está a investigar.

Edição de 23.10.2019 | Sociedade

Foram pelo menos duas as machadadas que Geraldina, de 73 anos, terá desferido na cabeça do marido, de 74 anos, enquanto este dormia na residência onde moravam, na Aldeia do Peixe, em Benavente. A suspeita foi detida pela Polícia Judiciária (PJ) ainda dentro da habitação e depois de ter sido presente a um juiz para primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Santarém, ficou em prisão preventiva a aguardar o desenrolar do processo.
De acordo com a PJ, depois de ter atacado o marido à machadada, na madrugada de quarta-feira, 9 de Outubro, a suspeita trocou de roupa e dirigiu-se à casa dos vizinhos, dizendo que um grupo de assaltantes lhe tinha invadido a casa e agredido o seu marido.
Zulmira e Carlos Ferreira, que moram na porta ao lado, foram os primeiros a entrar no local do crime. A O MIRANTE contam que a vítima estava deitada na cama, coberta de sangue e com graves ferimentos na cabeça, quase irreconhecível. Ao lado estava a arma do crime, um machado com lâmina com cerca de dez centímetros e, em cima, a parede pintada de sangue. “Ouviam-se gemidos, mas não lhe tocámos, saímos e pedimos socorro”, conta Carlos Ferreira.
A vítima foi encaminhada para o Hospital São José, em Lisboa, onde ainda se encontra em recuperação e, apesar da violência das agressões, está fora de perigo.
A aplicação da medida de coacção mais gravosa à arguida teve em conta a existência de “perigo de continuidade da actividade criminosa e perigo de perturbação grave da ordem e tranquilidade públicas”, explicou o juiz Bruno Lopes, titular no Juízo de Instrução Criminal de Santarém.

Casal pouco sociável
Apesar de ainda não se saber o que terá motivado Geraldina a atacar o marido, este não seria o primeiro episódio de violência doméstica entre o casal. Há cerca de um ano a GNR foi chamada àquela residência, mas nenhum foi detido. Quem ouviu conta que entre a gritaria se ouviam móveis a arrastar e objectos a partir.
Também os comportamentos de Geraldina há muito geravam rumores na Aldeia do Peixe. “Encontrava-a muitas vezes, de madrugada, a vaguear pela rua. Dizia que não tinha sono”, conta Ana Maria Coutinho. E acrescenta: “Não sabemos se bebiam os dois, mas era normal despejarem uma grande quantidade de garrafas de vinho no lixo. Ficavam dias sem sair de casa e não eram de fazer conversa com os vizinhos”.
O casal, natural de Lisboa, não tem filhos e a sua herança será doada à Santa Casa da Misericórdia de Benavente. O homem trabalhou na banca e foi depois da reforma que decidiram mudar-se para a pacata aldeia em Benavente, há cerca de 30 anos. Não tinham contacto regular com familiares e pelo menos duas vezes ao ano passavam férias juntos.

Crime violento abala a pacata Aldeia do Peixe

Mais Notícias

    A carregar...